Afinal, vale a pena fazer uma faculdade? É comum que essa pergunta surja na mente de muitas pessoas na hora de escolher ou mudar os rumos profissionais. 

Há alguns anos, poderia parecer impossível ingressar no ensino superior, sendo muito comum que as pessoas deixassem os estudos de lado e partissem diretamente para o mercado de trabalho após concluir o ensino médio. 

Felizmente, essa realidade vem mudando. Na atualidade, com as facilidades do ensino a distância e as oportunidades de financiamentos e bolsas, cada vez mais indivíduos conseguem ingressar no ensino superior. 

Dados de 2019 do Censo da Educação Superior mostram que o acesso à faculdade vem evoluindo. De acordo com a pesquisa, o número de estudantes cursando o ensino superior no Brasil aumentou 44,6% nos últimos dez anos, entre 2008 e 2018. 

Fazer faculdade pode trazer muitos benefícios para o currículo, garantindo maiores chances de empregabilidade. Além disso, algumas profissões, como Direito e Engenheira, por exemplo, só podem ser exercidas por pessoas diplomadas. 

Neste artigo, vamos falar sobre os motivos que comprovam que vale a pena fazer uma faculdade, as perspectivas de salário dos profissionais diplomados e quais as modalidades de ensino.

Confira:
Quais são os tipos de faculdades que existem?
Quais são os motivos para fazer faculdade?
Fazer uma faculdade presencial ou EAD?
Conclusão

vale-a-pena-fazer-faculdade - mulher em fundo branco com rosto de dúvida

Quais são os tipos de faculdades que existem?

Antes de falar especificamente sobre os motivos para fazer uma faculdade, vamos explicar mais sobre as categorias de cursos que existem.

Atualmente, existem três tipos de graduação: bacharelado, licenciatura e tecnólogo.

Os cursos de bacharelado oferecem conhecimento amplo sobre a base de uma profissão. O bacharelado pode durar de três a seis anos, dependendo da grade curricular do curso. 

Cursos como Direito, Engenharia, Administração, Ciências Econômicas, Jornalismo, Medicina e Farmácia são bacharelados.

Já o grau de licenciatura é voltado para aqueles que desejam se tornar educadores, capacitando os diplomados para dar aulas nos ensinos fundamental e médio.

A principal diferença em relação ao bacharelado é a inclusão de matérias voltadas à didática e à pedagogia na grade curricular. Cursos de licenciatura tem duração média de quatro anos.

Letras, História, Matemática, Artes Visuais, Filosofia e Geografia são alguns dos cursos de licenciatura que existem. 

Por fim, os cursos tecnológicos são voltados para quem busca uma formação específica e mais ligada ao mercado de trabalho. Esses cursos são de curta duração, de dois a três anos. 

Ciências de Dados, Gestão Comercial, Gestão de Recurso Humanos e Marketing são alguns dos cursos que oferecem grau de tecnólogo. 

Quais são os motivos para fazer faculdade?

Ingressar na graduação é uma possibilidade cada vez mais acessível para maioria das pessoas. Apesar disso, muitos indivíduos ainda têm dúvidas se vale a pena fazer uma faculdade ou não.

Abaixo, elencamos as quatro principais razões para se investir no ensino superior. Confira:

Salários mais altos

Encerrar os estudos escolares e ingressar diretamente no mercado de trabalho pode parecer um caminho mais fácil e rápido para garantir seu sustento. 

Apesar disso, concluir um curso superior ainda é o passaporte para uma boa renda no Brasil. 

Segundo o relatório Education at a Glance, da OCDE, de 2019, um residente brasileiro formado no ensino superior ganha, em média, mais que o dobro (140%) de quem só cursou o ensino médio. 

E a perspectiva de remuneração é ainda mais promissora para quem tem pós-graduação. De acordo com a mesma pesquisa, os brasileiros com pós-graduação podem ganhar um salário mais de quatro vezes maior (350%) na comparação com quem só se formou no ensino médio.

Ou seja, os dados não permitem concluir que o diploma é um fator importante na remuneração, oferecendo a possibilidade de salários mais altos. 

Para quem busca estabilidade financeira a longo prazo, cursar uma faculdade é um dos melhores caminhos. 

ead ucpel

Melhores oportunidades de emprego 

O mercado de trabalho está cada vez mais restrito. Em 2020, a taxa média de desemprego no Brasil atingiu 13,5%.

A pandemia da Covid-19 provocou forte retração na economia brasileira, com uma diminuição significativa dos postos de trabalho nesse período. Esse cenário torna o mercado de trabalho ainda mais competitivo. 

Nesse contexto, ter diploma de ensino superior não é apenas um diferencial no currículo, mas um pré-requisito essencial para se inserir no mercado de trabalho.

Ou seja, para quem deseja se recolocar e conquistar melhores posições na carreira, sem dúvida optar por uma faculdade é a melhor alternativa. 

Além disso, boa parte das profissões é restrita a quem possui um diploma de graduação, inclusive as de maior remuneração. 

Maiores perspectivas de crescimento profissional

Começar uma graduação é um caminho que oferece boas possibilidades de crescimento profissional. 

Após concluir o curso, os egressos têm a possibilidade de seguir se especializando e conseguir salários ainda maiores. 

Existem dois tipos de pós-graduação: lato sensu e stricto sensu.  

As pós-graduações lato sensu compreendem programas de especialização e incluem os cursos designados como MBA (Master Business Administration). Já as stricto sendo se referem aos programas de mestrado e doutorado.

Em 2019, a 54ª edição da Pesquisa Salarial, levantamento realizado pela Catho Educação, mostrou que 70% das vagas estratégicas solicitavam profissionais com pós-graduação.   

Além disso, a pesquisa também apontou que pessoas com pós-graduação ou MBA têm 47,2%  mais chance de receber salários mais altos do que aquelas que não têm a formação.  

Ou seja, iniciar uma faculdade possibilita boas perspectivavas de crescimento profissional. 

Opções de bolsas e financiamentos

Há alguns anos, ingressar no ensino superior parecia um sonho distante para grande parte da população brasileira. 

Nesse cenário, era muito comum que as pessoas deixassem os estudos de lado e partissem diretamente para o mercado de trabalho após concluir o ensino médio. 

No entanto, nos últimos tempos, essa realidade vem se transformando, com mais opções de bolsas de estudos e financiamento. 

Uma das iniciativas mais importantes da atualidade é o Prouni (Programa Universidade para Todos), que busca ampliar o acesso dos estudantes de baixa renda ao ensino superior.

Criada pelo Governo Federal, a iniciativa concede bolsas de estudos para cursos de graduação presenciais e a distância em universidades privadas. 

Os candidatos para as bolsas do Prouni são selecionados a partir da nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

O programa oferece bolsas integrais, que cobrem 100% do valor das mensalidades, e bolsas parciais, que cobrem 50% do valor da mensalidade do curso, cabendo ao aluno arcar com os custos da outra metade.  

A renda é o fator determinante para conseguir uma bolsa integral ou parcial.

As bolsas integrais são destinadas aos candidatos com renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Já as parciais, destinam-se aos estudantes com renda familiar bruta mensal de até 3 salários mínimos por pessoa.  

Outro programa importante do Governo Federal é o FIES (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior). 

O FIES busca auxiliar estudantes de baixa renda a pagar as mensalidades do curso de graduação em universidades privadas.

Ao início de cada semestre letivo, o programa abre inscrições para os candidatos que desejam concorrer a um contrato de financiamento estudantil. 

Os selecionados contam com o auxílio do Governo Federal para o custeamento das mensalidades do curso. Assim como o Prouni, a seleção do FIES é também feita a partir da nota do Enem.

A diferença entre os dois programas é que o FIES é um financiamento, ou seja, todos os valores devem ser quitados ao final do curso. O benefício é que a dívida pode ser parcelada e estendida por vários anos.

Além das iniciativas federais, diversas universidades privadas possuem programa internos de concessão de bolsas de estudos. 

Aqui no EAD UCPEL, temos diversas opções de bolsas para cursos de graduação. Conheça algumas delas aqui.

motivos-para-fazer-faculdade

Fazer uma faculdade presencial ou EAD?

Atualmente, existem três modalidades de ensino: presencial, semipresencial e EAD.   

A graduação presencial é aquela em que todas as aulas acontecem em um local físico, com o professor e os alunos reunidos dentro de uma sala de aula.  O semipresencial é um modelo híbrido, em que coexistem atividades presenciais e a distância.

Por fim, existe também a modalidade de ensino a distância, o famoso EAD, em que todas as atividades, incluindo aulas e provas, são realizadas remotamente.   

Para decidir qual faculdade fazer, é essencial considerar os prós e contras de cada modalidade de ensino.

O EAD possibilita que os estudantes assistam às aulas quando e de onde estiverem, dando mais flexibilidade de horários. 

Além disso, as graduações EAD possibilitam que os estudantes economizem tempo e dinheiro. Ao estudar a distância, os estudantes economizam com transporte e alimentação e perdem menos tempo com deslocamento.

Dessa forma, para quem espera trabalhar e estudar ao mesmo tempo, o EAD pode ser a melhor opção. 

Para aqueles não tem muita afinidade com o digital e tem mais tempo disponível, as graduações semi e presencias podem ser uma boa opção. 

A escolha da modalidade de ensino deve considerar o perfil e a rotina do aluno. 

Conclusão

Neste artigo, explicamos porque vale a pena fazer uma faculdade, trazendo informações sobre salário e empregabilidade proporcionados pelo ensino superior. 

Ter um diploma de ensino superior oferece boas oportunidade de crescimento profissional a longo prazo. 

Na UCPEL, temos diversas opções de cursos EAD, que permitem conciliar de forma plena estudos e trabalho. Conheça nossos cursos e comece hoje a investir em seu futuro profissional.

New call-to-action

Inscreva-se no nosso Blog

New call-to-action

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT