O processo de se preparar para o Enem e entrar na faculdade, ou de encarar aquele semestre complicado têm algo em comum? Sim! Todos os participantes querem ser aprovados e vão buscar o melhor método de estudo para isso.

Outra semelhança é que os diferentes perfis de estudantes envolvidos nestas situações têm diversas matérias para estudar. A quantidade de conteúdos assusta, não é? Mas nada que um bom planejamento de estudo não resolva.

Ainda mais porque um bom planejamento é vantajoso para aqueles estudantes que têm dedicação exclusiva, mas também para aqueles que se dividem entre o trabalho e a preparação para processos seletivos. Todos saem ganhando!

Mas um bom planejamento não significa, por exemplo, se programar para estudar horas e horas de uma disciplina. A melhor maneira de obter rendimento nos estudos e alcançar a esperada aprovação é elaborar um bom ciclo de estudo intercalado.

Estudo intercalado? Nunca ouviu falar? Neste post você ficará por dentro deste método, como ele funciona, quais são suas vantagens e como estudar intercalando matérias no seu dia a dia. Vamos lá?

Estudo intercalado… conte-me mais sobre isso

A princípio, existem inúmeras estratégias e técnicas de aprendizagem. Mas, depois de alguns testes com estudantes universitários, pesquisadores da área da educação começaram a se questionar: qual é a real eficácia de estudar a mesma disciplina de forma contínua até se esgotarem os conteúdos? Qual é o rendimento de estudantes que alternam o foco das disciplinas?

O método de estudo intercalado propõe a distribuição dos conteúdos a serem estudados num mesmo período de tempo. Pode também ser chamado de método de rotação de matérias.

Portanto, a técnica é usada por estudantes que se ocupam de muitas matérias ou assuntos de estudo e querem otimizar o tempo dedicado ao aprendizado.

Já que citamos como exemplo a preparação para o Enem, pense em como a prova é baseada na interdisciplinaridade. Inúmeras questões dos mais diversos temas são associadas a gráficos e tabelas, o que acaba abrangendo mais de uma matéria.

Se você está em fase de preparação para o exame mais famoso do país, o estudo intercalado pode ser o ideal para você. Explicaremos mais no decorrer do texto.

Entendi, mas como intercalar as matérias no cronograma de estudos?

O método de estudo intercalado consiste, basicamente, em organizar as matérias para que você reveze o tempo de estudo entre elas.

Para entender melhor:

1. Estabeleça o tempo total de estudos por ciclo. Ciclo, aqui, significa um bloco de matérias;

2. Determine quantas e quais matérias serão estudadas naquele ciclo;

3. Distribua o tempo total entre as matérias escolhidas, prevendo pequenas pausas.

Primeiramente, é preciso determinar o tempo total de estudos por ciclo. Se você está experimentando o método de estudo intercalado, pode ser uma boa ideia criar ciclos diários e esquematizá-los por semana.

Não importa se seu tempo de estudo não é constante. Se há dias em que é possível fazer um ciclo de seis horas e em outros apenas três, a técnica de estudo intercalado simplesmente fará você alternar as matérias necessárias dentro do tempo disponível, não importando a duração dele.

Para determinar quantas e quais matérias serão estudadas naquele ciclo, seja generoso na diversidade de assuntos. Talvez intercalar matemática e outras disciplinas baseadas em cálculo, por exemplo, não seja o ideal. Assim não há dinamismo e será como se você tivesse estudando um assunto só por um ciclo inteiro.

Afinal, misturar disciplinas diferentes num mesmo ciclo permitirá a retomada de um assunto que você viu antes. Isso estimula a memória de longo prazo e ajuda o cérebro na tarefa de resgatar os conteúdos já estudados, o que reforça a fixação das informações. Enumere as disciplinas como matérias 1, 2, 3 e assim por diante. O ideal é não passar de cinco.

Uma dica é intercalar, por exemplo, matérias como matemática, história e biologia em um ciclo; geografia e física em outro; português e química em outro. Se você já ingressou em uma universidade, aplique ao exemplo aquelas disciplinas que não têm nada a ver uma com a outra.

Agora é hora de distribuir o tempo total de cada ciclo entre as matérias. Atenção para esta etapa pois a vantagem do revezamento de disciplinas pode ser perdido se você estender demais o tempo para cada matéria.

Antes que você se pergunte, recomendamos o mínimo de uma hora e o máximo de duas horas por disciplina. Por quê? Menos que uma hora pode não valer a pena, pois o cérebro leva, em média, 20 minutos para começar a se concentrar. Mais que duas horas pode facilitar a perda da concentração.

Às vezes imprevistos podem acontecer e será preciso diminuir ou estender um pouco a carga horária. Imagine que você está no meio de um raciocínio ou finalmente assimilando um conteúdo que você não entendia antes. Tudo bem se prolongar por alguns minutos antes de prosseguir para a próxima matéria.

Da mesma forma, se você está estudando uma disciplina e o aprendizado não está rendendo ou você está disperso, não prejudica em nada reduzir em alguns minutos o tempo de estudo daquele conteúdo e antecipar a próxima matéria.

O importante é deixar estas quebras de tempo registradas para não descompassar seu ciclo de estudos.

Abaixo, um exemplo: segunda-feira, ciclo de estudo para o Enem com quatro disciplinas, totalizando seis horas, sendo 1h30 para cada matéria, com pausa para almoço:

null

Quais são as vantagens do estudo intercalado?

A principal vantagem do revezamento de matérias é fazer com que o praticante mantenha-se estudando por mais tempo e de maneira menos cansativa, o que garante a plena assimilação dos conteúdos.

Além disso, o estudo intercalado te ajuda a não acumular matéria. É uma boa técnica para você ficar longe daqueles estudos de última hora na véspera da prova.

O ideal é combinar o método para provas de médio a longo prazo, pois estimula a memória e funciona como uma motivação para estudar.

Ciclos de revisão

Ciclos de revisão evitam que alguns assuntos fiquem esquecidos ou sejam abandonados. As disciplinas que você concluiu de acordo com seu planejamento não podem ser esquecidas. Caso contrário, você terá desperdiçado tempo e energia.

A revisão funcionará da mesma maneira que os ciclos de estudo. Mas qual será o critério para que uma disciplina entre no ciclo de revisão?

Há vários, mas recomendamos que quando você atingir 30% do conteúdo teórico estudado, você já possa revisá-lo.

Já que exemplos tornam a coisa toda mais fácil, vamos a eles:

Você vem estudando um ciclo de quatro disciplinas. Digamos que a disciplina 2 seja menos complexa e que você já tenha atingido 30% dela (exemplo: de nove horas estabelecidas para estudá-la, você já alcançou três).

Ela será a primeira a compor o ciclo de revisão e com o passar do tempo, outras matérias avançarão e você precisará transferir os conteúdos para que também sejam revisados.

Uma dica de ouro

Não adianta encontrar o método de estudo perfeito se você não associá-lo a outras formas naturais de aprendizado, como a leitura. Não estamos falando de leituras didáticas, mas de livros com temáticas universais que complementam a formação escolar ou acadêmica.

Gostou das dicas? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdos como este!

Inscreva-se no nosso Blog

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT