Enem

Como fazer um bullet journal em 9 passos

Por Redação   | 

 Tag: Enem

Já ouviu falar na técnica de bullet journal?

Esse método de organização é muito utilizado para várias áreas da vida, seja a pessoal ou a profissional, já que ele permite ter um registro completo das tarefas do dia a dia.

O mais interessante é que esse modelo pode ser adaptado para a sua rotina de estudos e deixá-la mais organizada e produtiva. Quer saber como? Confira esse passo a passo!

Passo 1
Passo 2
Passo 3
Passo 4
Passo 5
Passo 6
Passo 7
Passo 8
Passo 9

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

1. Defina o objetivo do seu bullet journal

O primeiro passo, e um dos mais importantes, é entender qual é o seu objetivo com o uso do bullet journal. 

Não é possível utilizá-lo sem entender como ele poderia, de fato, ajudar você. Para chegar a uma definição, você pode se fazer perguntas em relação a: 

  • Sua rotina; 
  • A sua necessidade de anotações diárias; 
  • O tipo de anotações que precisa fazer; 
  • Suas tarefas recorrentes;
  • Os seus compromissos com hora marcada; 
  • Se você precisa de muito espaço para anotações. 

Vale lembrar que esses são apenas alguns exemplos e que você pode adaptar essa pesquisa prévia para descobrir quais são os seus objetivos para o uso do bullet journal da maneira que preferir. 

Esse passo, porém, é essencial para que você tenha sucesso com a utilização desse aliado dos estudos. 

2. Escolha o material

Uma das maiores vantagens do bullet journal é que ele pode ser feito com qualquer caderno. 

O ideal, porém, é escolher de acordo com as suas preferências e necessidades. Para ajudar, você pode levar em consideração aspectos como: 

  • Tamanho: o mais utilizado é o caderno médio de tamanho A5 por ser fácil de ser transportado para qualquer lugar; 
  • Modelo: que pode ser de brochura, espiral ou até mesmo com a lombada quadrada. Existem ainda os fichários e os modelos mais recentes com páginas removíveis e reposicionáveis. Esses últimos são bastante práticos para quem precisa ter diferentes seções com quantidades de folhas diferentes; 
  • Gramatura do papel: que nada mais é que a densidade da folha. Caso você goste de usar canetas coloridas ou desenhar e enfeitar as páginas, o ideal é considerar uma gramatura maior para evitar que a tinta transfira para o verso do papel e acabe manchando outras folhas também; 
  • Tipo de miolo: já que as folhas quadriculadas e pontilhadas ajudam muito no momento de riscar os layouts do bullet journal. Mas nada te impede, claro, de usar páginas pautadas ou em branco. 

3. Separe as seções base

O criador desse método, Ryder Carroll, sugere que você crie algumas sessões básicas para o seu bullet journal, como o índice e os logs, que são divididas por mês, dia e para o futuro. 

Mas, além delas, você pode ir além e inserir outras que façam sentido para o seu momento de estudos, como: 

  • Checklists, que podem ser de matérias, assuntos, bibliografias para estudar etc.; 
  • Objetivos; 
  • Controle de hábitos; 
  • Livros lidos e para ler;
  • Organização de horários. 

Essas são apenas algumas ideias que podem ajudar você durante os seus estudos. Mas, é claro que você pode ficar livre para organizar as seções como bem entender. 

4. Faça um índice do conteúdo do bullet journal

Aqui, a ideia é que as duas, ou três, primeiras páginas do seu bullet journal sirvam para acomodar um índice orgânico. 

Em outras palavras, é um espaço que vai sendo criado à medida em que você for adicionando informações às páginas. 

Você não precisa, inclusive, numerar todas as páginas do seu caderno de uma vez só. Uma boa ideia é ir fazendo essa numeração conforme for adicionando conteúdo nele. 

5. Estabeleça as legendas

As legendas são nada mais que códigos utilizados para sinalizar a natureza de uma tarefa, ou seja, a sua prioridade ou o seu status. 

Elas são importantes porque ajudam a simplificar a rotina e a otimizar o tempo por meio de estímulos visuais. Você olha para o caderno e já sabe o que já foi feito, o que é urgente e o que ainda está na lista. 

Para criar essa linguagem visual, você pode usar símbolos. 

Originalmente, uma bolinha é utilizada para os compromissos, as caixinhas de “check” para tarefas e um hífen para informações importantes. 

Nas tarefas, você vai utilizar um símbolo de “check” quando uma delas for concluída, um X quando for cancelada e uma flecha para a direita quando for adiada. 

Existem outras formas de interações e diversos ícones, mas para quem está começando o mais indicado é seguir com os mais básicos. 

6. Liste os logs do futuro

Os logs do futuro são utilizados para descrever todas as informações relacionadas aos meses seguintes. 

Você pode criar uma seção para cada um deles e inserir todos os dados mais importantes. Ao criar as páginas de um novo mês, poderá se planejar e redistribuir as tarefas caso seja necessário. 

7. Separe as páginas do log mensal

Você pode criar uma página no seu bullet journal para o mês em que estiver no momento da criação dele e inserir os números de todos os dias, assim como as iniciais dos dias da semana ao lado de cada número para não se perder. 

Na página ao lado, pode criar uma lista com todas as tarefas que precisam ser feitas no período em questão. 

8. Comece seus logs diários

Por último, você pode inserir os dias.

Existe a possibilidade de fazer uma página por dia ou também é possível criar 2 ou 3 dias por página para todo o mês. Assim, você já consegue inserir as informações relacionadas a cada dia específico e não se perde mais nos estudos. 

Aqui não tem muito segredo. Você pode, por exemplo, criar o 1º dia dos estudos e desenhar uma bolinha para marcar o compromisso de estudar uma matéria específica. 

Depois, algumas caixinhas de “check” para tarefas como “Estudar sobre os métodos Robinson e Honey-Alonso. Por fim, uma seta para sinalizar uma informação importante com um lembrete para fazer um mapa mental de tudo que aprendeu, mas sem colocar uma data específica. 

9. Use coleções, se necessário

As coleções, ou collections, são seções extras completamente personalizáveis. Elas servem para alcançar objetivos mais específicos, registrar hábitos e acompanhar projetos. 

Já citamos alguns nos tópicos acima, mas você pode ir além daqueles e utilizar outras coleções populares e adaptar para o seu dia a dia de estudante, como: 

  • Controle de alimentação e ingestão de água, que é muito importante para quando passamos tanto tempo estudando e perdemos noção do tempo; 
  • Rastreador de hábitos diversos;
  • Citações memoráveis, que podem servir como inspiração e motivação; 
  • Resoluções de ano novo; 
  • Aniversários; 
  • Datas e endereços importantes. 

Também é interessante separar um espaço para anotar informações mais gerais que não se encaixam em nenhuma coleção.  

Outra boa ideia é criar o que as pessoas chamam de “brain dump”, uma seção para depósito de ideias repentinas, lembretes e apontamentos diversos — como aquele insight que você teve enquanto praticava o estudo ativo ou utilizava alguma técnica de memorização. 

O bullet journal, como você pôde ver, é uma ferramenta muito poderosa para ajudar nos seus estudos, seja para o Enem ou para o vestibular.

O mais interessante dessa técnica é que, ao aprendê-la, você pode criar outros cadernos para todas as outras áreas da sua vida, que ficarão muito mais organizadas!

 

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.